Aug 8, 2013

Despida

Acordei e agora?
Atravesso as rotinas sem pensar.
Como se pedaços de cortinas à minha frente tivesse.
Afasto-as, sem as sentir.
Vou andando até ao fim do caminho.
Em que o fim é a noite e o caminho mais um dia.
Pergunto-me o que me faz feliz e não sei a resposta.
Creio que nem o conceito já me jaz na memória.
Tenho um buraco em mim.
Um rasgo que não consigo cozer.
Memórias que não quero largar.
É como se vestisse, roupa atrás de roupa,
E me sentisse sempre nua.
Como se um vento frio sempre me tocasse.
Quero um casaco, um sobretudo,

Quero, sei lá, parar este arrepio que me faz viver num Inverno constante.

No comments: