Jan 9, 2013

Em ti livre

foto: wikipédia

Admiro a tua calma,
O teu sentido de alma,
O teu olhar sapiente,
A sensação que tudo é relativo,
Que correr não vale minimamente a pena.
Não precisas de mais nada,
Senão de ti,
Tua própria segurança,
Teu porto forte.
Navegas sem rumo,
Ou talvez por um destino,
Que tu própria sabes.
Segues sem nada dizer,
Pois és de um único dono,
O teu próprio ser.

1 comment:

Diario de uma mae solteira said...

"O único dono, o teu próprio ser"

Sem duvida!