Jun 8, 2012

O preconceito começa aonde a sabedoria acaba!

A passear numa folha de couve andava uma família de caracol e uma família de lesmas. O pequeno caracol e a pequena lesma resolveram escorregar pelos veios da planta e andavam muito animados.
Na hora do lanche, ambos regressaram para junto das mães que descansavam uma em cada ponta da mesma folha de couve.
O pequeno caracol que andava na fase dos porquês:
-Mãe porque é que aquele caracol não tem casa?
A mãe caracol, sem saber muito bem o que dizer:
-Não é um caracol, filho! É uma lesma! As lesmas não têm casa!
O pequenote estranhou e continuou com o seu questionário:
-Onde dormem à noite, então? Onde levam as sandes de couve e alface para a escola?
As perguntas estavam cada vez mais difíceis e o conhecimento da mãe caracol acerca das lesmas não era assim muito aprofundado. Então, como todas as mães quando são confrontadas com desafios infantis, puxam pela imaginação:
-Eles vivem todos na mesma casa, no centro de uma couve. Comem sempre o que querem e quando saem para ir para a escola já vão tão cheias e gordas que não precisam de sandes.
A mãe lesma observava com atenção a conversa e perante a palavra “gordas” resolveu interferir:
-Minha senhora, mas não acho correto a senhora chamar “gorda” a quem não conhece.
A mãe caracol, muito envergonhada referiu baixinho:
-Desculpe, mas eu não sabia responder às perguntas da criança. Ele deixa-me com a cabeça feita em água.
-Sei o que é! A minha filha também me perguntou porque é que vocês traziam sempre a casa às costas.
-A sério! O que respondeu?
-Que os caracóis passam a vida a comer e precisam de carregar com peso as costas para manter a linha!

2 comments:

Paula Nogueira Guerra said...

Grande história... as always :)

Diário de um Anjo said...

Obrigado Paula