Jun 4, 2012

Grão verde

Num saco de papel cheio de pipocas acabadas de fazer, restava um grão de milho. Escapou à ida para máquina e estava ali, ainda meio atordoado.
-Onde estou? Quem são vocês?
Ao seu lado, estavam pipocas.
-Somos os teus amigos!
-Vão a algum baile de máscaras? O que aconteceu? Está um calor impressionante aqui dentro.
-A Micas? Onde está a minha melhor amiga?
-Estou aqui! – Respondeu uma pipoca rosa que estava atrás de si.
-Não pode ser!
-É verdade!
-Não és a Micas!
-Sou!
-Então se és a Micas, diz-me qual é o meu maior sonho!
-O teu maior sonho é ser ator.
O pequeno grão de milho não quis acreditar no que ouvia.
-Amiga! Tive tantas saudades tuas! Vamos jogar?
-Não posso!
-Porquê?
-Agora sou uma pipoca colorida Micas! Linda. Tenho a certeza que serei uma modelo.
Desde pequenos que sempre partilharam estes sonhos.
-Estás bela mas não podemos continuar a ser amigos!
-Não!
-Passamos pela mudança e tu nem sequer foste selecionado. Ficaste aqui perdido. Ninguém te levou. Não fazes parte de nós.
O grão de milho ficou muito triste e ficou no seu canto.
A temperatura do saco foi arrefecendo e de repente tudo começou a tremer. Um humano havia pegado no saco e começado a retirar as pipocas sem as voltar a repor.
O grãozinho viu os seus amigos partir sem poder fazer nada e nem saber o que se passava.
Passados alguns momentos, o espaço disponível no saco começou a ser reduzido. O grão de milho pensou que iria morrer de falta de ar. O humano esmagou o saco de papel e atirou-o para um balde de lixo. Contudo, a pressão foi tanta que o papel se rompeu antes de o saco cair. O grão de milho caiu no chão.
Atordoado, dorido e triste. Deixou-se ficar, adormecendo.
Uns dias mais tarde, choveu e enterrou-se na terra. Pensou que tinha morrido. Desistiu.
Certo dia, sentiu algo sair da sua barriga. Um rebento que renasceu para a luz do dia. Ganhou novo folego. Foi premiado com novos sonhos e voltou a viver.

1 comment:

Paula Nogueira Guerra said...

E vivam os sonhos e todos aqueles que se tornam realidade :)