May 11, 2012

Vida de pedra

Dei um pontapé numa pedra,
Rasguei a meia nova,
Tropecei em gato preto,
Fiz uma nódoa negra no peito.

Estraguei um vestido novo,
Mostrei o meu seio ao povo.

Perdi o autocarro,
Mais veio um de novo,
Reservado levou,
Na poça e em mim acertou.

Esperei meia hora,
 Lá de novo chegou,
Entrei desastrada,
Até aos ossos apertada,
 E por alguém tocada.

Cheguei ao destino,
Tentei aos encontrões furar,
 Não consegui escapar,
E noutra paragem fui parar.

Corri para o escritório,
O ponto tinha que picar,
A pressa era danada,
Que o salto num buraco quis ficar.

Entrei desgrenhada,
A chefe à minha espera danada,
 Sentei-me na secretária,
Com a cabeça torrada.

O computador quis ligar,
A rede foi na água parar.

Quando tudo se resolveu,
Urgente mail na caixa chegou.
Ceguei como um breu,
Para a rua fui convidada,
Sem justificação e sem nada.

Para casa fui preocupada,
De coração partido e vida estragada,
Amanha vou renascer, e na pedra vou bater.

No comments: