Dec 15, 2011

Rodinhas com histórias

O Sr. João vinha triste da entrega de prendas de Natal para os filhos dos funcionários lá da fábrica. No bolso trazia apenas um único carrinho e em casa tinha dois filhos.
Pedir a um pai para optar por um dos filhos é como perguntar com qual das pernas ou dos olhos pretende ficar. A sua dúvida residia se dava um carrinho aos dois ou nem dava sequer.
-Maria podes vir comigo ali ao quarto?
-A fábrica está com dificuldades e apenas nos deu um carro. Temos que decidir a quem dar ou então não damos.
-Que tristeza! Não disseste que tinhas dois filhos?
-Disse mas só os chefes é que ficaram com vários brinquedos. Nós apenas tivemos direito a um brinquedo por cada um.
-Hum! Então, podíamos fazer um jogo.
- Então o que tens em mente?
-Eles têm tido dificuldades em português. Vamos pedir-lhes para fazer um texto sobre o Natal. Aquele que fizer um texto com mais palavras leva o carrinho.
-Olha, boa ideia! Sempre os obrigava a escrever.
Os pais chegaram à sala e mãe disse:
-Meninos! Temos um jogo para vocês!
-Que bom! Eu quero brincar agora!
-Calma, Miguel!
O Martim, mais sossegado continuava a brincar com o seu carrinho velhíssimo, com apenas 1 roda.
-O pai este ano recebeu apenas um brinquedo na fábrica, um carrinho. Como vocês tiveram notas baixas a português, decidimos que aquele que, até à noite do dia 24, apresentar o texto com mais palavras sobre o Natal ganha-o.
O Miguel, o mais novo e reguila, correu logo para o quarto e trouxe um caderno e começou a escrever. O Martim manteve-se com o seu carrinho de rodas de cortiça.
Os dias foram passando e a noite de Natal chegou.
-Meninos, mostrem os vossos textos!
O Miguel, esperto como ninguém, havia copiado o maior texto sobre o Natal da enciclopédia da escola, tinha 10 páginas.
Os pais, como não tinham explicado que o texto tinha que ser criado ou não, ficaram contentes pela cópia.
-Martim, o teu texto aonde está?
O menino tirou um papel amachucado do bolso das calças e deu aos pais. Na folha amarelecida havia apenas uma frase:
-Neste Natal, quero 3 rodinhas para o meu carro.
Os pais, muito intrigados:
-Martim, porque pediste apenas 3 rodas quando podias pedir um carro novo! E porque não escreveste mais palavras como o Miguel?
-Pai, eu poderia escrever mais palavras e ter um carro novo mas…
-Mas, o quê? – Perguntava o pai que tinha conseguido comprar outro carro e iam dar um a cada um de surpresa.
-O carro novo não tem histórias para contar…
O pai olhou para a mãe e com muito custo deram apenas um dos carros ao Miguel embora os seus corações quisessem dar um carro novo também ao Martim.
-João! Vai a arrecadação e traz uma rolha de cortiça!
-Uma rolha, para quê?
-Vamos todos fazer umas rodas para o carro do Martim.
-Boa mãe! Posso pedir mais uma coisa? – Perguntou o pequeno.
-Claro!
Retirou do outro bolso uma caneta de feltro e disse:
-Podem escrever em cada roda o vosso nome! Assim, as rodas além de histórias passam a ter recordações.






2 comments:

CoisasDaGaja said...

Grande história! Porque há seres humanos que já nascem iluminados. Disso não tenho dúvidas!

Diário de um Anjo said...

Obrigado CoisasdaGaja