Oct 7, 2011

Viajante vendado

-Adoro viajar e conhecer novos lugares! – Vangloriava-se a chave de um apartamento de Lisboa.
-És de onde? – Questionava um copo de uma mesa, numa esplanada no Algarve, aonde a chave havia sido colocada pelo seu dono.
-Ser, sou de Lisboa mas raramente lá estou. Sabes, nós as chaves, somos quase caixeiros-viajantes. Andamos sempre fora de casa e o meu dono farta-se de viajar.
-Tens sorte!
-Conheci quase todas as grandes cidades do país e já fui ao estrangeiro: Londres, Barcelona, Paris e tantas outras. Não deve haver mais nenhum objecto tão viajado quanto eu.
-Deves ter uma vida aborrecida, neste restaurante!
-Olha, até não!
-A sério, como? Já sei, viajas entre as mesas e vais várias vezes à máquina de lavar! – Gozava a chave.
-Minha cara amiga! Não preciso de ir aos lugares porque eles vêm ter comigo!
-Ah! Ah! O calor de Agosto está a desorientar-te. Os lugares não mudam de sítio nem andam.
-Sabes, conheço dezenas de pessoas por dia. Todas vêm de lugares diferentes e cheias de histórias para contar. Gosto de juntar as opiniões, as visões e as aventuras. Sobre cada local tenho uma imagem que construi na minha mente, rica em sabores, cores e aromas. Não viajo e nem preciso. Tenho o meu próprio mundo construído pelas experiências dos outros.
-Hum, a sério? Vou-te contar um segredo!
-Conta, sou bom ouvinte!
-Viajo para muitos locais mas, não vejo quase nada porque, raramente, saio do bolso do meu dono. Hoje ele tirou-me de lá porque anda de calções na praia.
-Já sabia!
-Sabias? Então porque me ouviste?
-És um viajante cego!
-Consigo ver!
-Sim, mas partes pelo mundo fora tapado com uma venda, o bolso do teu dono. Não és o único! Há pessoas que viajam apenas para mostrar o que viram mas não para sentir por onde andaram.

Texto de participação no tema de Outubro da Fábrica das Letras

14 comments:

Evanir said...

Que lindo texto .
Com esse final onde se resume a maioria de quem viaja tanto pelo mundo.
Há pessoas que viajam apenas para mostrar o que viram mas não para sentir por onde andaram.
Veja que lindo gostaria de saber escrever um texto tão lindo.
Um feliz final de semana bjs.
Evanir

Diário de um Anjo said...

Obrigado Evanir

Mz said...

E até existem aalgumas pessoas que viajam para coleccionarem locais, apenas porque é moda... faz parte da sociedade de consumo descartável.

Um diálogo muito original!

Diário de um Anjo said...

Obrigado MZ
Prefiro ir a menos locais mas a sitios que de facto sei que me vão dizer alguma coisa

Sandra said...

Lindo texto, lindo blog, estou lhe seguindo.
Parabéns.
A vida é uma verdadeira Viagem.
Viajar é tudo bom. Bela participação. Estamos ai contigo.
http://sandrarandrade7.blogspot.com/
Vou te esperar na Interação para compartilharmos dessa bela viagem..
Até mais,
Sandra

Utópico said...

Mais original era impossível.

De facto é bem mais interessante ouvir histórias de todo o mundo e imaginar os locais onde aconteceram, pois se existe coisa que é rica, essa é a imaginação, do que viajar de olhos vendados.

Diário de um Anjo said...

Obrigado sandra e Utópico

Briseis said...

Beeeemmm... que história espantosa! E que bonita refelxão ela traz! Bravo, bravo! =)

Diário de um Anjo said...

Obrigado Briseis!

Sus said...

Original sem dúvida!
Sim, pode-se viajar sem sair do lugar... e pode-se não sentir nada passando por tantos lugares.

Uma história com moral nesta sociedade de consumo.




Beijos
Bom fim de semana

Catsone said...

Boa noite.
Revi alguns que conheço na frase que remata o texto. Parabéns pela criatividade; senti-me na mesa ao lado desse diálogo.

Diário de um Anjo said...

obrigado Sus e catsone

Eduardina said...

Muito criativo,com um desenvolvimento narrativo aparentemente leve,mas com um remate profundo. Parabéns

Diário de um Anjo said...

Obrigado Eduardina