Sep 13, 2014

Cegueira do relógio

Eu podia olhar para o passado mas já não o vejo, podia visualizar o futuro mas ainda não aparece, podia ver o presente mas quando pisco os olhos ele já fugiu.

Sep 12, 2014

Tó Tuga, profissional do desemprego

Tó Tuga estava sentado no banco do jardim vestido de fato e gravata quando passa seu primo Zé Torresmos que fica muito intrigado pelo traje, aquela hora, a meio da tarde, durante a semana:
-Ei lá! Vieste de um casamento? Agora está na moda serem a durante a semana. Dizem que fica mais barato.
-Nope!
-Oh! Não me digas que morreu alguém e não me avisaram!
-Também não!
-Então? Foste a uma entrevista de emprego?
-“Nicles!”.
-Ai, então? Resolveste arejar o fato, foi? Oh, pá! Dizias à tua Maria para estender cá fora no varal e não precisavas de vestir. Ainda por cima, hoje está cá uma humidade que se uma “garina” me agarrasse eu escorregava que nem uma enguia.
-Também não! Arranjei um emprego!
-Ein? Então eu vi-te à hora de almoço de chinelos e calções na Tasca do Chinfrim a beber café.
-Estava a na pausa do almoço, agora estou ao serviço!
-Estás a gozar comigo? Estás ao serviço como? Estás com essa “bunda” sentada no banco do jardim!

-Primo, agora eu sou Profissional do Desemprego!

Sep 8, 2014

Tó Tuga, emprego a botões.

Tó Tuga encontrou seu amigo Miguel Roscas que vinha da oficina, depois de um dia de muito trabalho.
-Oh Tó! Ando aqui intrigado e ontem quase te liguei à noite mas não tive tempo.
-Então?
-Ontem passou por lá o Chefe que disse que tu tinhas enviado o CV, pelos correios, novamente para lá mas no fundo da carta havia um botão com um autocolante a dizer “emp. sff”. Ele não percebeu e veio ter comigo, como sabe que te conheço para ver se eu sabia.
-É uma chatice! Não achei botões grandes lá em casa!
-Ãh? Mas tu querias botões maiores para quê?
-Olha para acabar a palavra, não é?
-Oh homem! Tu baralhas-me! Que querias tu dizer?

-Era “Empregue-me, sff!” como o “facebocas” e o “tuitas”. Eles vão por o botão “comprar” e eu pensei: Olha que fixe! Vou mandar um também para ver se alguém me emprega!

Sep 2, 2014

Tó Tuga, porco esganiçado

Tó Tuga estava na fila das finanças lá do bairro com um porco mealheiro de louça debaixo do braço quando passa o seu primo Zé Torresmos que se aproxima e fala baixinho:
-Oh primo! Isso está difícil? Não me tinhas dito nada!
-Ein, então não está? Já viste quanto eu vou pagar de imposto único de circulação! – Exclama chateado mostrando o papel.
-Ui! O problema é mais grave que isso não é? Sabes que podes contar sempre comigo! Eu não tenho muito dinheiro mas podes sempre ir lá a casa comer uma sopinha.
-O quê? Estás a oferecer-me sopa porquê?
-Ora, tu já precisas de pagar o IUC com o porquinho mealheiro! – Diz com um tom baixo para ninguém da fila ouvir.
-Oh! Não é nada disso!
-Então?
-Não é para mim! É para os meus filhos!
-Explica lá isso!

-Eu trouxe o porco para ver se eles comem as crias das cobras que sugam o dinheiro nos impostos. Ao menos as gerações futuras já não são afetadas.

Aug 23, 2014

mexam-se

Em vez de perder tempo à espera de algo ou alguém que faça algo que nos faça feliz porque não usar esse mesmo tempo para fazer nós mesmos qualquer coisa para isso?

Aug 4, 2014

Tó Tuga, bloqueio ao empreendorismo

Tó Tuga foi à oficina e encontra seu amigo Quim Roscas a discutir com o contabilista. Após uns momentos acesos desiste e vem cá fora falar com Tó.
- Estás mesmo zangado! Não me digas que perdeste guito no Bes?
- Não. Tenho é que despedir o contabilista por falta de informação.
-Então?
-Eu quero criar uma nova empresa para transferir as dividas ao fisco e ele diz que não é legal. Ainda ontem ouvi o governador do Banco de Portugal a dizer que era possível. Já viste? Uma pessoa além de perceber de travões também tem que perceber de finanças.

Aug 3, 2014

Tó Tuga, nervoso por ouro

Tó Tuga estava a borregar em frente da TV a fazer zapping entre os canais generalistas num domingo à tarde quando Maria acorda ao seu lado e repara que, estranhamente seu marido havia colocado um boné com moedas em cima da mesa de centro.
- Tó porque puseste as moedas no boné?
- Estou a incentivar a poupança nacional e a economia.
- Ãh? Estiveste muito tempo a ouvir a as notícias!
- Não senhora!
- Então?
- Já esvaziei os meus bolsos todos para ali.
-Sim, já percebi e porquê?
- Ora estava tão nervoso!
- Estavas nervoso porquê?
- Foram tantas as vezes que me pediram para ligar que resolvi juntar sessenta centimos por cada vez e fiquei com os bolsos vazios.

Jul 30, 2014

Tó Tuga, macho não chora fêmea não ri!

Tó Tuga, chega cansado a casa e encontra Maria sua mulher “esbaforida”.
-Tó! Ouviste o que aquele turco disse?
Tó nem teve tempo para coçar as pulgas quanto mais para ver a notícia.
-Oh mulher! Não sabias que tive que entregar uma encomenda hoje! Nem fui a casa de banho o dia todo!
-Ele disse que as mulheres não devem rir em público! Achas normal?
-Hum!
-Hum, o quê? Tu não me venhas com as conversas machistas dos homens da família Tuga que ficas a, pão e água mais de um mês!
-Calma! Deixa-me explicar!
-O que há para explicar?
-Então! Penso que é uma questão de igualdade! – Disse em tom muito, mas muito baixinho.
-Estás aqui! Estás ali!- Disse Maria já aos gritos!

-Olha se quando eu era pequeno me diziam que os homens não devem chorar em público porque é que as mulheres devem rir?

Jul 24, 2014

Tó Tuga, Ele adora-nos!

Tó Tuga estava na rua com um panfleto manuscrito numa mão e com um cartaz na outra mão em letras enormes:
-ELE adora-nos, pois nós sofremos! Nós adoramo-lo 6 dias por semana!
Zé Torresmos está a janela, desce e pergunta:
-Oh primo, agora andas ligado à religião? Tu vê lá se não te pedem a dízima para um pedacinho no céu?
-Nada disso! Eu quero criar uma religião nova!
-Oi! Estás doido!
-Não! Queres apostar como também te vais tornar crente?
-Ah! Ah! Eu sou ateu primo já sabes!
-Então olha, se te converteres a esta religião só trabalhas 1 dia por semana!
-Ein, como é isso?
-Segundo esta religião nós passamos 6 dias por semana a adorá-lo, logo não trabalhamos esses dias!
-Estás doido? E como vais dizer isso ao meu patrão?

-Liberdade Religiosa!

Jul 18, 2014

Tó Tuga, com todos os patinhos sabem bem nadar...

Tó Tuga estava junto a um lago de patos apenas com um colete fluorescente vestido. Zé Torresmos passa e pergunta:
-Oh primo, não havia mais nada para vestires lá em casa hoje?
-Zé, Zé, tu lembras-te do que o nosso avô nos dizia: “As regras são para serem cumpridas sempre, meus meninos!”
-Sim! Eu sei mas o que é que isso tem a ver com o fato de estares de colete florescente? Isso é só para quando sairmos das viaturas, em caso de acidente, nas vias rodoviárias ou para andar nas bermas, à noite e estarmos visíveis.
-Certo! Então estou bem!
-Ai! Tu apanhaste Sol na “mona”! É de noite?
-Não!
-E onde está a via e a viatura?
-Não a vês?
-Não! – Afirmou o Zé!
-Olha para o lago!
-Oh meu Deus! Mas nós não andamos na água com as viaturas?

-Nós não mas a PSP sim! Não viste que agora têm motos de água!